Tomada de posição sem refinamento

samPatricia Selonk e Otto Jr. em O Dia em que Sam Morreu (Foto: Juliana Hilal)

A Armazém Companhia de Teatro vem alternando encenações de textos já existentes, mais ou menos celebrados, com a produção de uma dramaturgia própria, concebida em parceria entre o diretor Paulo de Moraes e o autor Maurício Arruda Mendonça. O Dia em que Sam Morreu, espetáculo do grupo que estreou na última edição do Festival de Curitiba e faz temporada na Fundição Progresso, é o novo trabalho da dupla. Diferentemente de outras peças assinadas por Moraes e Mendonça, essa não é atravessada por evocação da vida na cidade do interior ou de uma juventude luminosa e nem por proposta de elo lúdico com o espectador favorecido pelo dispositivo cenográfico. Sobressai, isto sim, uma necessidade de frisar uma colocação referente ao estar no mundo, em especial no que diz respeito à consciência e à conduta ética de cada um no cotidiano.

Os autores destacam personagens dotados de posturas contrastantes, como Benjamin, cirurgião que se distanciou do que deveria ser o sentido de sua profissão numa jornada de crescente ganância e corrupção, e Samantha, juíza que proíbe o marido de privilegiá-la na fila para um transplante de coração. Há ainda Samir, antigo palhaço, agora vitimado pelo Alzheimer, que se tornou conhecido por não se vender por qualquer gargalhada do público, e Samuel, jovem inflamado contra o sistema perverso. Com exceção de Benjamin, os demais mencionados são escrupulosos, não fazem concessões para obterem vantagens. Samantha. Samir e Samuel, que poderiam ser apelidados de Sam, preservam certa pureza num mundo degradado. Os personagens de O Dia em que Sam Morreu surgem mais como representantes de uma série de tomadas de posição do que como portadores de estruturas humanas complexas, o que denuncia a limitação do texto.

Paulo de Moraes e Mauricio Arruda Mendonça não investem numa construção artística refinada. O debate ético que procuram promover, apesar de oportuno (até que ponto dá para manter a integridade total, desvincular-se por completo das próprias urgências?), soa óbvio. Há um tom de mensagem a ser transmitido ao público. Tudo fica um tanto evidente, a exemplo dos manequins que realçam o modo impessoal e destituído de afetividade como o outro é visto e tratado. Por meio de uma das primeiras falas de Benjamin (“Dessa vez eu encontro a alma”, afirma, de maneira debochada, ao “operar um manequim”), também vêm à tona conceitos de interioridade e exterioridade – bastante tensionados, ao longo do tempo, em relação aos sentidos convencionais (interior como espaço do sentimento, da alma, e exterior como capa enganadora, embalagem) com que, contudo, continuam sendo empregados – que, porém, não são avolumados no decorrer do texto.

Como é um dos autores da peça, Paulo de Moraes demonstra natural dificuldade em minimizar no palco as fragilidades dramatúrgicas. A utilização do microfone, elemento recorrente nos últimos tempos, para os personagens projetarem publicamente seus posicionamentos, resulta, em alguma medida, desgastada. O diretor imprime no espetáculo a marca do profissionalismo da companhia Armazém, mesmo que as criações sejam menos inspiradas que outras encenações do grupo. A cenografia de Paulo de Moraes e Carla Berri não é muito expressiva na sugestão de ambientes distintos a partir de um espaço-base. A iluminação de Maneco Quinderé insere cores fortes num visual asséptico. A música (a cargo de Ricco Viana), executada ao vivo, emoldura a ação. Os atores são inevitavelmente prejudicados pelas deficiências do texto. Em todo caso, Lisa E. Fávero, Marcos Martins e Otto Jr. têm bons momentos.

É possível que o projeto de O Dia em que Sam Morreu tenha nascido de uma inquietação genuína por parte dos artistas envolvidos, abalados pelos valores deformados, do funcionamento discriminatório, excludente, que impera no contexto atual. Entretanto, a realização não surge contaminada pela contundência do depoimento sincero, energia catártica que talvez servisse de contraponto aos problemas da montagem.

Anúncios

Uma opinião sobre “Tomada de posição sem refinamento

  1. Achei bastante interessante esse jogo de pontos de vista de cada personagem. Acaba que acrescenta mais uma camada, o jogo não fica somente na narrativa externa e comum a todos. E por ser assim, claro que é inevitável não se espelhar em algum deles, até porque todos os Sams são basicamente personificações do todo de nossa sociedade de hoje. Impossível ver o personagem Samuel e não pensar nas milhares de vozes revoltadas da internet. Agora, é verdade, a voz microfonada e o cenário “quebra-cabeças” me distanciaram desta intimidade da narrativa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s